Projetos finalizados - Costurando dois vestidos com um molde de 1941

by - janeiro 03, 2020

Finalmente realizei meu sonho! (em dose dupla)


Quem me acompanha aí com frequência nas redes sociais sabe que a minha meta de vida é (ou era) ter um vestido bem década de 1940.

Não 1980 porque eles diferentes (sim). Um 1940 mesmo.

No início da minha caminhada no mundo vintage, eu era a inocente que pensava que encontraria um vestido original. Após muita busca (que envolveu Enjoei, brechós fisicos e online, bazares, compras furadas e gente aleatória dizendo que tinha "um monte" pra vender), desisti.

Logo saquei que no Brasil não temos sótãos pra guardar velharias e os porões são úmidos, logo não há têxtil que resista. E an real: acho que as nossas avós e bisavós cortaram todos estes vestidos pra reaproveitar os tecidos, porque andar pelado ninguém andava rsrs.

Bom, muita coisa comprada não valeu quase nada para meu guarda-roupa e outras nem serviram. Sério: quase não deu pra montar um look que prestasse!!! 😌😌 Vai, não serei injusta: até achei algumas peças vintage de verdade (camisas dos anos 1950 e 1960 e um vestido já bem detonado) e outras retrô com boa modelagem de época (dois bons vestidos, algumas saias).

Apesar disso, eu não tinha a variedade de cores e estampas, nem de modelos e materiais, que eu gostaria.  Aí nada combina com nada. O fato é que um guarda-roupa parecido com os anos 1930/1940/1950/1960 não se monta comprando apenas camisas de poliéster com bordadinho. Se monta tendo as peças icônicas, que são o espelho do período! E eu teria que dar um jeito, foi aí que em janeiro de 2019 comecei a costurar SÉRIO e parar de reclamar rsrsrs

Escolhendo, ajustando o molde e costurando

O modelo que escolhi é de um shirtwaist dress ou vestido chemise (eu escrevi um pouco sobre esse modelo neste link). Estes vestidos eram geralmente usados para situações do dia-a-dia, como atividades domésticas ou para resolver situações cotidianas próximas à casa (ir a um mercado ou logo ali buscar um negócio rsrs). Mas nem sempre!!!! De modo geral, observo que o shirtwaist com botões até embaixo é mais caseiro, e o de botões até a cintura mais "rueiro".

Basicamente, ele é abotoado, com mangas armadas, gola dobrada, cintura ajustada e com cinta e saia em A. Era isso o que eu queria, mais icônico impossível. O molde foi publicado em 1941 na Inglaterra em plena política de restrição de tecidos durante a Segunda Guerra Mundial (claro rsrs), e foi comprado em um site estrangeiro.

O vermelho é a versão A e o florido é a versão B (eu fis os dois, mas invertido).

Este molde é digital, feito pra imprimir em casa em A4. Eu nunca havia trabalhado com molde assim, e há prós e contras. O pró é que é um jeito de ter um molde antigo, já que são pouco acessíveis e, neste caso, as instruções são todas em inglês (antigo dos anos 1940). O contra é ter que imprimir, recortar e colar um monte de papel (pelo menos umas 20 a 30 folhas). Isto demanda MUITO tempo. E se tiver que ajustar (recortar o molde para o seu tamanho), a lambança é maior rsrsrsr

O fato de ter instruções de costura é fundamental para mim, porque o projeto se trata de costura histórica, ou seja, reproduzir uma roupa utilizando as mesmas técnicas e, se possível, os mesmos materiais ou algo bem próximo (tecido, zíper, botões, etc). Sendo assim, costurar com overloque não é costura histórica e nem reprodução histórica (a não ser que seja 1960s pra cima rsrs) e seguir o passo-a-passo corretamente faz parte da experiência de vestir algo voltado para os anos 1940 ou anterior.

(não é que sou chata, é assim que a comunidade internacional, quiçá galáctica de costura vintage e histórica interpreta as coisas. E segue!). 

O tecido escolhido foi um corte de tricoline verde com florzinhas salmão bem miúdas, que estava acumulado em casa. Antes fiquei pesquisando se a estampa batia com algum catálogo antigo ou vestido vintage original de museu ou loja. Achei este como referência e pude dormir em paz HAHAHA

Um vestido vintage original, postado pela loja Adored Vintage.

O vestido pronto (versão A)

O processo de ajuste do molde ao meu tamanho (sem contar o piloto) e de costura demorou em torno de 16 horas. É muito? É hora pra caramba e pensei que o problema fosse lerdeza minha mesmo, embora eu faça no gás. Porém vi um vídeo da Angela Clayton fazendo um vestido dos anos 1950 (muito mais fácil) e ela disse que demorou 12 horas. Então é isso aí.

Demorou porque o vestido tem: 
1) pregas no ombro;
2) pregas na cintura; 
3) pregas nas costas;
4) pences nas mangas;
5) 8 botões;
6) cinto;
7) ombreiras; e a 
8) barra feita à mão.

E é por causa de todos estes detalhes que eu não achava um vestido desse em lugar nenhum ♥

Barra feita à mão.
Barra feita à mão não é uma coisa muito comum, porque demora muito e as confecções não vão fazer. Mas é uma técnica legal porque dá um maior controle sobre o tecido e porque era como as barras eram feitas no passado (mesmo existindo máquina de costura).

Bom, eu não tenho muitas fotos dele, mas esta de corpo inteiro já dá uma boa visão de quão parecido com os autênticos ele ficou ♥

Aqui uma brincadeirinha de voltar na máquina do tempo no encontro da Soceidade de Moças Paulistas (@sociedadedemocas).

O vestido pronto (versão B)

A versão B foi ainda mais demorada, mas porque inventei de fazer um bordado para deixar diferente do outro e também para acompanhar alguns modelos da época, que recebiam bordados nos bolsos, na gola ou nas mangas.

O vestido da versão B <3 td="">

O processo de costura foi parecido, mas repare que este não tem botões até em baixo, mas sim até a cintura. 

E então vamos falar de ombreiras: roupas femininas dos anos 1920, dos anos 1930, dos anos 1950 e algumas dos anos 1960 têm ombreiras. São pelo menos dois motivos que tem a ver com correção de pontos específicos do corpo, com a silhueta geral e com a própria estrutura da peça:
  1. Porque ombreiras ajudam a corrigir ombros caídos;
  2. Porque ombreiras ajudam a dar contraste com o tamanho da cintura (a tal ilusão de ótica). Quanto maiores os ombros, menor a cintura.
  3. Porque ombreiras ajudam a segurar a estrutura das mangas bufantes.

Nos anos 1980, as ombreiras eram grandes e moles, um tanto desarranjadas. Já nos anos 1930/1940/1950, elas eram mais rígidas e com formas variadas. A maioria dos moldes já incluía o formato adequado para a manga adotada. Nos vestidos que fiz, elas são fundamentais porque mantêm os ombros bem alinhados e o topo da manga reto, e não caído. Veja abaixo a diferença entre a manga sem ombreira e com ombreira.

Ainda na fase de costura: ombros retos como pede a silhueta dos anos 1940.

Ele também tem pregas como o vestido verde estampado, mas estas ficam mais aparentes porque o tecido é liso. Aliás, o tecido é um caso de amor à parte. É um algodão lindo e macio que também já tinha em casa. Na verdade, eu comprei numa pilha lá no Brás, por um preço bem bom e a qualidade me surpreendeu MUITO.
Detalhes das pregas e bordado da gola

Sobre os aviamentos, usei nesta versão B alguns  botões e uma fivela de madeira nesta versão. Na anterior, usei uma fivela de madrepérola vintage original, mas estes itens são escassos....assim, madeira é uma ótima opção e é mencionada  em revistas antigas.

Em relação ao bordado, usei um risco bem simples com ponto atrás e ponto margarida, baseado nos bordados tiroleses alemães dos anos 1930 e 1940 (presentes em muitos vestidos e tricôs da época). Eu que desenhei o motivo, mas olha, nada de muito especial, o objetivo era algo bem simplão mesmo.

Outro diferencial são os BOLSOS. E assim, agora, após ele, eu nunca mais vou conseguir viver sem. E isso tem um sentido: se o vestido é pra usar em casa ou próximo, os bolsos são utilitários: ali dá pra colocar uma caixa de fósforos, uma agulha de crochê, um pregador (rsrsrs). Eu coloco as mãos mesmo rsrsrs

Detalhe dos bolsos e do bordado.


Resumão

Nível de satisfação: 10!!!

Eu resolvi um sonho! Não é realizar não, é "resolver" mesmo 😂😂

Apesar de já ter uma reprodução de vestido dos anos 1940s, eu queria variar sem improvisar. E olha, fazer ou vestir o estilo de 1940s é uma experiência mesmo! Quando eu coloco com a intenção de fazer o cosplay/traje completo (rsrsr), fica tão diferente de qualquer coisa da moda atual que algumas pessoas até vêm fazer perguntas (já me perguntaram, inclusive, o quanto cobro pra fazer um igual pra um casamento rsrsrsrs).

Mas o mais legal é que é tão confortável que dá pra usar no escritório normal, sem encheção de saco rsrs

Bom, espero que tenham gostado!!! Deu trabalho, mas consegui!!!! E você, usaria um vestido assim? Escreve pra mim nos comentários :) 



You May Also Like

0 comentários

Instagram

- Todos os direitos reservados a Katiúcia de Sousa Silva - Por favor, não copiar o conteúdo desta página sem mencionar a autoria.